domingo, 4 de setembro de 2011

Ser só minha

Já estava escuro quando você foi embora, e eu não reclamei que você ia, estava muito quente nessas noites de setembro em Brasilia , eu realmente não queria a sua companhia , queria ficar só, um tempo pra mim, pra poder deitar com uma blusa velha e usar um short rasgado, não me preocupar em acordar no outro dia pelo menos um mínimo apresentável.
Eu tranquei a porta depois que você saiu, liguei o home theater e coloquei um cd dos Paralamas para tocar no último volume, ao som de "Quase um segundo" peguei o telefone e pedi uma pizza, tomei um banho, não queria nada de você hoje, nem mesmo o teu cheiro, que sempre fica em mim depois que fazemos amor, troquei os panos da cama, hoje eu queria ser só minha, limpa, com cheiro de amaciante e sabonete.
Passei pela sala e olhei para o meu notebook, o peguei e guardei em no armário, nada de vida online hoje, olhei meus livros novos, lidos pela metade, não tenho tido tempo para isso, a faculdade e o trabalho não me permitem, e o meu tempo livre não é meu, é seu, na maior parte do tempo eu prefiro "ler-te" do que Nicholas Sparks, Emily Giffin, Stephan King ou qualquer outro, por fim apanhei minha última aquisição na livraria , coloquei no sofá e fui até a cozinha, gelo, vodka e kiwi, perfeito.
Voltei para sala agora escutando "O calibre", sentei-me um copo na mão e o livro na outra, devaneios entre um parágrafo e outro, minha mente ia de quem eu era, quem me tornei por um tempo e quem eu estava sendo, era eu o tempo todo, mas vários 'eus', mensagem no celular, o nome dele, ignoro, fecho os olhos e adormeço por alguns instantes a campainha toca, Pizza, recebo, pago, entro e delicio-me com quatro queijos e marguerita, troco o cd, coloco uma balada para tocar, algo mais animado, algo que me faça dançar, danço como na época em que o meu quarto na casa dos meus pais com um micro system era tudo o que eu tinha, passo pelo corredor, olho-me no espelho, me admiro, me quero, me desejo, eu estou bonita, e essa noite é pra mim mesma, não para encher olhos alheios.
Preciso de um tempo assim vez outra, pois se eu não conseguir viver sozinha comigo mesma, nem que as vezes, quem conseguira, gosto da minha companhia, eu me faço bem, e nem que seja só por uma noite, eu preciso ficar sozinha, ser só minha.

3 comentários:

Luna Sanchez disse...

Ainda hoje eu dizia pra uma amiga, por e-mail, que não quero mais me dar a ninguém, no máximo emprestar um pouquinho. Agora sou minha, só.

Um beijo.

Andressa disse...


concordo muuuito com a Luna! ♥

Patife disse...

Obrigado pela primeira reflexão do dia. ;) Intenso.